Rack Home Theater

A casa dos meus pais tem passado por algumas mudanças neste final de ano, fruto dos meus avós vindo morar conosco. Para dar a eles um pouco mais de privacidade e tranquilidade, planejei a mudança da nossa antiga sala de TV para a pouco usada sala de visitas, onde poderíamos continuar com nossas sessões de cinema-em-casa sem atrapalhar os nossos “novos vizinhos”.

Foi o momento certo para realizar o meu desejo de uma TV LCD maior, porém também seria necessário um novo móvel para comportá-la. Reinstalei o Google Sketch Up e comecei a montar novas possibilidades.

Read moreRack Home Theater

24!

Oito anos, 8 temporadas, 8 dias, 192 horas, 192 episódios. As sessões em família de 24 Horas finalmente chegaram ao fim.

Como já disse anteriormente, começamos a acompanhar essa saga na 4ª a temporada – e no vácuo até a chegada da 5ª temporada compramos todo o começo da série. Clichês podem ter se repetido, furos absurdos ocorreram sempre de forma constante, mas ainda assim 24H teve aquilo que nenhuma outra série conseguiu ter na mesma intensidade: pacing – ritmo alucinante e reviravoltas sensacionais.

Gostaria de finalizar esse post com um controverso “reloginho mudo”. Não por luto, mas por respeito ao final deste que considero um dos melhores entretenimentos que já tive em frente à tela.

Alien Movies – DVD x Blu-ray comparison

When I bought a PS3 a few years ago, I experimented Blu-Ray and the HD world. I don’t even have a full HD TV, but 720p is already good enough to see the benefits of movies in high definition. The problem is that not all movies looks good: old transfers will suck if not treated the right way. Blade Runner’s blu-ray transfer impressed me, and since then I’ve been waiting a very long time to see what will they do to my beloved Alien franchise.


A few days ago this site released some screenshots from all four movies in blu-ray, and I’m fan enough to make a little comparison between their shots and the Quadrilogy DVD set I own (I also own the Legacy set, BTW). I choose Aliens, because that movie features heavy noise on some scenes. Just put your mouse over the pictures to see the difference.


I believe noise/grain seens to be under control, but what impressed me more is the color correction on some scenes.


To take those screenshots, I played the DVD on Windows Media Player. I know that WMP usually changes some of the brightness / contrast, but the differences are way to much to be just that.


The final confrotation with the queen also appears to me more nightmarish, thanks to the tuned down brightness of the scene and bluish tone! Now, if they could only retouch those other scenes…

Because that, on HD, will look very disturbing.

Pensando demais

Dois mil e dez começa com uma sugestão de blog interessante e inteligente: Overthinking It. Um grupo de pessoas que, assim como eu, gostam de analisar as coisas de forma “profunda”.

Mas é claro que nao se trata de qualquer coisa. O foco é a cultura pop, especialmente o cinema e a TV. Eu já disse aqui que Robocop é uma “obra de arte” e que possui riqueza de conteúdo. Sim, me refiro àquele mesmo, de 1987 e que geralmente é visto de forma superflua. Pois bem, prova de que não estou sozinho é que o blog trouxe uma profunda matéria intitulada The American Tragic Hero #2: Robocop. Como se não bastasse, eles dedicaram uma semana inteira à artigos sobre Paul Verhoeven com pensamentos sobre seus principais filmes, incluindo os favoritos Starship Troopers e Vingador do Futuro, entre outros.

Houve também uma semana dedicada aos Simpsons onde é apontada a influência desse seriado e, até mesmo, uma hipótese de que o Homer ajudou a causar a crise financeira de 2009 (e olha que faz sentido… de certa forma, LOL).

Não para por aí: Avatar ganhou 6 razoes pelas quais deixou a desejar. Sem querer ser do contra, mas eu concordo com praticamente tudo o que foi dito alí. Não consigo entender como as pessoas se contentam com tão pouco vindo do mesmo mestre que deu ao mundo Terminator, Aliens, The Abyss e (porque não?) True Lies! D’oh!

Nada como debater a cultura pop com tamanha (e provavelmente desnecessária) atenção.