06.19.08

Professor BP

Posted in Fotografia, Random Thinking at 12:51 am by BP

Eu não sou uma pessoa muito paciente, especialmente quando um completo leigo me pergunta sobre assuntos difíceis de explicar (quem não tem um conhecido que já te alugou como técnico de computador? O problema não é explicar, é explicar pra alguém que não tem noção alguma do que são janelas, barras de ferramentas e menu iniciar). Entretanto existe um assunto onde pareço estar sempre disposto a ajudar: fotografia.

Alguns dias atrás me peguei pensando em preparar material para aulas básicas do assunto. Pensei isto porque minha primeira experiência com a fotografia começou na faculdade, durante o meu curso de Publicidade & Propaganda.

Pelo lado da teoria: não decorei a história da fotografia, não lembro dos fotógrafos pelos seus trabalhos, não lembro nem de como se revela um filme manualmente. A questão é que isso não me fez (por enquanto) nenhuma diferença na minha vida como profissional, e não sei se faria em 99% dos casos hoje em dia.

Pelo lado da prática: nunca trabalhei em estúdio. Comecei com pequenas imagens produzidas na agência de publicidade onde trabalhei, e de lá pra cá passei a me dedicar mais e mais nessa tarefa. Embarquei no mundo strobista (uma forma meio prática de conseguir resultados profissionais sem necessidade de um estúdio fullpower) e tenho experimentado quase tudo aquilo que leio (faltam situações e modelos). Apesar disto o meu interesse é geral, mas o ramo no qual eu atuo a fotografia é mais técnica e o que importa é o resultado.

O que eu ensinaria então? Aquilo que o meu professor na faculdade não teve capacidade de ensinar de forma clara: a relação entre velocidade e abertura, abertura e profundidade de campo e (o mais importante) como isso altera a imagem que será capturada. É necessário fixar técnicas básicas e macetes. Outra coisa: falar sobre a luz, entender o básico que é saber caracterizar a luz (dura / suave).

Não culpo meu ex-professor (que já deveria ter se aposentado muito antes de eu ter começado a faculdade), mas é que faltou vontade de produzir um material de apoio – o básico do básico: fotografias! Hey, afinal é disso que estamos falando! Em 2003 as reflex digitais ainda custavam o olho da cara e as primeiras Cybershots de 3 e 5 megapixels eram um sonho de consumo. De qualquer forma não seria dificil fazer imagens para produzir slides mostrando exemplos.

Na faculdade a aula de fotografia não tinha nem prova: bastava entregar suas fotos ampliadas manualmente que estava tudo certo. Meu Deus, quem revela e amplia filme manualmente hoje em dia?  Ou mesmo em 2003? (salvo os puristas). É bacana, mas pouco prático. Como avaliação eu não apenas pediria a produção de um ensaio, mas aplicaria um teste ilustrado onde questionaria o aluno sobre qual recurso foi utilizado para fazer aquela imagem (engenharia reversa). É coisa básica, sem intenção de ferrar ninguem, mas acredito que funcionaria muito bem para fixar um ou outro conceito.

Embora boa parte dos alunos nunca vá comprar uma reflex, acredito que tirariam melhor proveito de suas compactas semi-manuais uma vez que soubessem coisas básicas. Os albuns do Orkut e Fotolog agradeceriam.

Tudo isto é uma idéia que as vezes vem a minha cabeça, porém falta QI para que isso se torne uma realidade (além do próprio material de apoio). Quem sabe algum dia isso não acontece? O jeito é começar a montar o material!

PS: gente, que post gigante. Numa época onde as pessoas só conseguem escrever e ler no Twitter,  um texto desse tamanho assustou até a mim! E sim, gastei tempo fazendo a prova só pra ilustrar o post ;)

5 Comments »

  1. Nariga said,

    June 19, 2008 at 6:08 pm

    “E sim, gastei tempo fazendo a prova só pra ilustrar o post ;)”

    Cara, foi JUSTAMENTE o que pensei quando vi a ilustração! kkkkk

    abs

  2. Fernanda said,

    July 23, 2008 at 11:10 am

    Oi BP,
    legal saber que vc gosta de ajudar a galera com a fotografia. Sabe, eu gosto de fotografia, mas nunca fiz curso. Eu comprei uma montanha de livros, tentando entender a matemática da coisa. E sabe quando foi que eu aprendi e entendi a relação velocidade x abertura? Com a máquina na mão. Hoje em dia, com as digitais reflex, tem uma grande vantagem de ver o resultado na hora. Depois, vira automático, intuitivo até. Tenho também uma manual, e corro para revelar o negativo rapidinho ( eu mesma!) e ver se aprendi realmente a lição. A fotografia só se aprende assim… fazendo. Pelo menos foi assim para mim…
    PS: queria ver umas fotos suas…:-)

  3. BP said,

    August 7, 2008 at 2:31 pm

    Uau! Só vi agora seu comentário, Fernanda :)

    Eu tenho uma reflex antiga, foi nela que fiz minhas primeiras exposições longas. Aprender a velocidade até que foi fácil, difícil foi aprender a relação entre abertura e profundidade de campo. O professor explicava sem exemplos de fotos (apenas desenhava no quadro), e ninguém entendia, hahaha.

    Já quanto a revelar manualmente, fez parte do meu curso na faculdade. Agora me pergunta se eu sei fazer de novo? Tenho um livro aqui que explica, mas… é tão mais fácil deixar para um laboratório… sem contar aquele cheiro forte dos produtos ;)

  4. Breno Luz said,

    August 27, 2010 at 6:47 pm

    E o pior. Foram DOIS SEMESTRES ouvindo a mesma história! rs
    O fim de semana passado dei uns clicks com a minha boa e velha EOS 300 analógica.
    Amanhã saberei se ainda sei brincar.

  5. BP said,

    August 30, 2010 at 10:24 pm

    Cara, AGORA que vi seu post.

    A Zenith 122 do meu pai ta com um filme ISO 800 deve fazer anos, hahahaha. Acho que nem adianta tentar revelar, pq eu literalmente esqueci ele lá…

    É “triste” pra alguns, mas fotografar digital hoje em dia é o que há! Eu particularmente amo.

    E sabe que talvez essa história de eu dar aula talvez não esteja tão longe assim! Veremos!

    Valeu pela visita Brendom!

Leave a Comment