Fotoconcerto

Nesta última quinta-feira a Orquestra e Coral AD Brás veio a Piracicaba para se apresentar no teatro Unimep. Foi uma oportunidade bacana para visitar novamente o teatro onde me formei há quase 4 anos atrás, além de uma grande chance de tentar fotografar um evento diferente.

A verdade, porém, é que eu estava doido pra testar a minha EF 70-200 f/4 L IS em locais pouco iluminados, uma vez que ela não é considerada uma lente “rápida”. O resultado agradou, assim como o espetáculo que foi uma verdadeira experiência. Preciso ir mais vezes em apresentações semelhantes.

Boa música ao vivo faz um bem danado.

Hypertexting

Era um dia normal. Visitei o blog do Wedge, vi sobre uma video-retrospectiva dos jogos de Star Wars no Game Trailers. Assisti o video e notei a música que estava tocando ao fundo: uma versão disco do tema de Star Wars (groove it baby!). Essa versão a gente tem em um LP antigo (uma coletânea de temas de cinema) que está na casa de algum familiar. Eu já era doido para pegar essa música em cd/mp3, porém até o advento de certas ferramentas e sites era muito difícil conseguir saber sobre músicas específicas e raras. Entrei no You Tube, pesquisei “Star Wars Disco” e acabei descobrindo que quem faz a versão é um cara chamado Meco. Na Wikipedia encontrei mais informações sobre o artista. Entrei no Amazon, procurei o CD para comprar mas o “The Best Of” está em falta. Fui ao Google, digitei “The Best of Meco + Rapidshare” e encontrei um link para download. Voltei para o Game Trailers e assisti a uma retrospectiva especial da série Metroid com mais de 1h de duração (boas e inesquecíveis lembranças, by the way). A partir daí consultei mais uma vez o Google em busca de imagens de Samus Aran. Descobri uma jovem pseudo modelo brasileira, que em um forum gringo foi colocada lado a lado com uma imagem da Samus pela semelhança. Mais um pouco de pesquisa e eu descubro que ela já saiu em alguma página da Playboy, tem algumas fotos no Flickr e ficou famosa ao “ficar” com um dos integrantes do RBD durante a breve passagem do grupo pelo Brasil.

Definitivamente, o hypertexto é futuro da informação. Eu poderia ter parado de citar minhas descobertas após a restropectiva de Metroid, que encerrou o dia produtivo, mas foi muito interessante ver os novos caminhos que uma nova pesquisa me mostrou. Em algumas horas descobri mais do que me seria possível há 10 anos atrás. Está tudo aí, exposto, esperando para ser encontrado. Deus abençoe a Internet.

Baixando Mp3 na era pós-Emule

No final do ano passado o Emule deixou milhares de internautas órfãos. O fechamento dos servidores alemães acabou com a graça de quem gostava de encontrar arquivos.

Desde então eu praticamente não baixei mais mp3, uma vez que não tenho paciência para ficar fazendo download de albuns completos em torrents. No desespero acabei recorrendo ao Google. Foi quando encontrei este search engine que procura mp3s e já foi responsável por mais de 10 músicas de artistas distintos no meu HD.

Para quem gosta de rádio online também fica a dica do Nexus Radio. É um programa que “sintoniza” centenas de rádios online. Você ainda pode gravar a música que está tocando no seu HD (claro, se você apertar o REC no meio da música você só salva a metade dela), com direito a ID3 e tudo. Foi no Nexus Radio que descobri mais algumas pérolas que eu baixei no site acima.

Por último, para quem gosta de trilhas sonoras de videogames, este site é o paraíso na terra.

Have fun!

Resolvendo crimes com trilha sonora nostálgica

Algumas semanas atrás eu estava zapeando pela TV, quando passei pelo Warner onde estava tocando uma das minhas músicas favoritas de Heart, “Alone”. Notei que não se tratava do videoclipe da musica, mas de cenas de um seriado policial. Não prestei muita atenção no nome (dificilmente acompanho séries), e aquilo ficou no esquecimento. Alguns dias atrás meus pais comentaram sobre um seriado no SBT que costuma tocar músicas bacanas no final, e que passa todo domingo por volta da meia noite. Ao assistir constatei que se tratava do mesmo programa que eu havia visto (e olha que desta vez tocou Cindy Lauper – Time After Time em uma das cenas). Trata-se de Cold Case (Arquivo Morto, no Brasil). Um seriado onde investigadores resolvem crimes até então sem solução que foram arquivados por anos, até mesmo décadas.

É aí que entra a trilha sonora diversificada. Durante a investigação acontecem diversos flashbacks mostrando o desenrolar do crime. Nestes flashbacks sempre estão tocando músicas que procuram caracterizar a época (que pode ir de um simples rock dos anos 60 até um punk rock dos anos 90). As cenas finais dos episódios mostram o caso resolvido sendo arquivado, o desfecho das pessoas envolvidas e outras coisas mais, tudo acompanhado por uma música de fundo (neste caso, Alone).

Confiando num provável bom gosto e sempre procurando novas/velhas músicas, resolvi pesquisar quais já haviam sido tocadas no seriado. Para minha felicidade o site da CBS contém uma relação das músicas que foram tocadas a cada episódio. Resultado: nestes últimos 2 dias baixei mais de 200 músicas (e já ouvi todas ao menos uma vez). Bem interessante para quem estiver com bastante tempo livre.